moto

Moto Honda 1100 – Texturização

Esse exercício é uma pequena evolução da Moto Honda 1100 que apresentei modelada num post anterior (aqui). E é a prova de que se a modelagem não estiver bem feita, não há textura que resolva. Apesar da proposta não ser a de um estudo hyper-realista de engenharia, algumas falhas são notáveis como exercício de modelagem.
Exemplo disso é não colocar espessura em algumas peças, como na carenagem da parte traseira vista na imagem abaixo.

Erro que deixa a imagem com cara nítida de CG e condena a “veracidade” da imagem. Da mesma forma que o filme do Hulk não dá certo por ninguém “acreditar” ou aceitar (inconcientemente) um cara verde na tela, uma moto com peças sem espessura é triste.

Cretinices a parte, para a texturização dessa moto, foquei na parte metálica da coisa. Usei um procedural Clouds para “sujar” o metal e reflexão por incidência de câmera. Aqui mais um problema… Faltou um ambiente para ser refletido! Algumas partes, principalmente da carenagem mais externa que estão praticamente chapados por não terem o que refletir.

Uma coisa que deu uma ajuda no resultado foi um passe de render só de ambient occlusion sobreposto depois no Photoshop. Isso deu um pouco mais de volumetria na imagem e escondeu parte das falhas de modelagem, que eu ainda sei que estão lá e que me corroem o espírito.

Já a iluminação, usei um setup básico de three points light, mas não gostei muito do resultado, então para o render final liguei o Final Gather.

Espero poder corrigir esses problemas em breve e postar algo mais digno aqui.

Demo Reel – Modelagem

Ao aprensentar uma coisa 3D é sempre bom, mostrar vários aspectos dela. A não ser que a proposta seja uma imagem estática mesmo. No caso de trabalhos de modelagem, como é o caso até esta data em escala de aprendizado, é melhor ainda apresentar vários pontos de vista do modelo.

Claro que uma boa pós-produção ajudaria a tornar esse video menos medíocre, mas isso é outra estória.

Modelagem – Moto Honda 1100

Modelar uma moto, antes de tudo é um estudo de referências. Enquanto modelava esse modelo, ficava igual besta olhando tudo quanto é moto na rua, pirado com os discos de freio e aquele monte de peças do motor. Encontrei até um manual dessa moto que ia do mais singelo parafuso até a lâmpada do farol.

Como o tempo era curto, simplifiquei bastante as coisas e ignorei diversas partes não aparentes e outras aparentes que passam despercebido no geral.

O bom desse exercício é que várias técnicas precisam ser aplicadas. Desde deformações por curvas como na corrente e nos cabos, algoritmos de operações boolenas para rodas dentadas e outras peças, até misturar poly by poly com box modeling em alguns momentos.

Outro ponto interessante nesse exercício é que impressiona os leigos…