Ilustração

Primeiras incursões

Há algum tempo atrás, trabalhei em uma editora e fiz alguns stills pra usar nos layouts dos sites que eu fazia lá. Não são as imagens mais bacanudas que você já viu na vida, mas são as primeiras coisas que fiz utilizando o 3D como ferramenta de criação, que é na verdade o meu objetivo inicial com esses estudos.

Fiz essa composição para um e-mail marketing de Natal. Foi mais para brincar com iluminação do que para desejar feliz Natal pra alguém. Utilizei um marble na textura para que as bolas não refletissem uniformemente o ambiente pois ficaria parecendo um espelho e as bolas de Natal não são tão perfeitas.

Coloquei uma imagem de fundo para compor um cenário. A perspectiva está totalmente fora. Mas acabou dando um desafio diferente porque tive que iluminar a cena com base na imagem de fundo. Alguns spots amarelos ao fundo ajudaram.

Outra imagem que fiz lá, foi essa das revistas espalhadas, que acabou sendo reutilizada várias vezes, em alguns sites, em anúncio das revistas, em apresentações de material de marketing, etc.

Tê-la feito em 3D acabou se mostrando um grande facilitador porque nunca teriam feito isso com fotografia lá, muito menos uma cena dessa pra cada revista nova que saísse.

De ladinho.

Ainda sobre os concepts, desenhei os rapazes de perfil. Pelas tentativas que fiz e pelos exemplos que vi por aí, isso é o mínimo para se ter de referência antes da modelagem dos personagens. Claro que deve ter uns malucos que modelam perfeitamente com apenas uma imagem de referência ou nenhuma, mas minha capacidade de abstração não chega a tanto. E também acho muito difícil o cara se manter fiel ao projeto original, apenas mentalizando uma imagem na cabeça, mas vai saber…

Acho que não consegui desenhar os personagens de perfil como eu queria. Esse por exemplo, creio que não ficou com o ar de superioridade que eu imaginei. Vamos ver se consigo corrigir na modelagem. O tempo urge.

Resolvi adicionar asas de gárgulas neles. Achei que eles precisariam ter uma “motivação” para estarem parados na garoa entediados. Com as asas encharcadas não dá pra voar. Tá! Eu sei. Não são penas! Mas você já viu um gárgula que não esteja empoleirado?

Perdi um bom tempo nesse e definitivamente não cheguei onde queria. Não estou contente com a cabeça dele de perfil, principalmente com os olhos. Não consegui resolver e desisti por hora. Fica para a modelagem também.

Minha idéia é que este fosse um pouco mais corcunda e parecesse mais “massudo”, por isso as pernas arqueadas. Acho que dá pra corrigir isso depois do rig, fazendo uma pose mais interessante.

Talvez seja necessário desenhar alguma parte específica de um ou outro personagem, ou corrigir alguma coisa que só vou saber na hora que estiver modelando mas, no geral, os concepts são esses. Próxima etapa: Modelagem!

Concepts – Continuação…

Continuando o papo sobre concepts…
Nos desenhos das faces, do post anterior, tentei caracterizar o melhor que pude os personagens de acordo com os recíprocos seres de carde e osso. Mas quanto aos corpos, preferi não seguir a mesma linha. Achei melhor recorrer a perfis mais “cartoonescos”, que me proporcionassem uma variação maior como exercício de rig e animação.

Olhando o rostos desenhados e esquecendo os reais, acabei definindo um comportamento para cada um, o que resultou nos clássicos estereótipos: “baixinho-gordinho-rabujento”, “esbelto-elegante-metido” e “grande-forte-não-muito-perspicaz”. (de novo, espero que ninguém se ofenda)

Achei que esse cara tinha ficado com um ar elegante e esnobe. Merecia um corpo alto e magro, e uma roupa mais elegante, com direito a colete e cachecol.

A expressão desse acabou dando uma personalidade rabujenta e um corpo baixinho e barrigudo acabou encaixando bem.

Quando finalizei o rosto desse, lembrei dos capangas da máfia. Tentei fazer um corpo forte, grande, mas não “bombadão”. Queria algo que parecesse uma forte por essência. Não sei se consegui, mas é isso.

O desenho de perfil dos personagens deve deixar a personalidade deles um pouco mais clara. Aguardem um próximo post.